19

O celular vibrando a acordou. Ainda sem saber direito onde estava, atendeu.

 

– Elisa, o Alex está aí com você?

 

A voz preocupada de Vivi fez com que se lembrasse de tudo em tempo recorde. Ela estava em Porto de Galinhas num quarto de hotel esperando que Alex chegasse. Mas nunca ia imaginar que Vivi fosse ligar em seu celular procurando por Alex.

 

O celular foi tirado de sua mão por Alex.

 

– Oi mãe.

 

Não conseguiu ouvir o que Vivi estava dizendo, mas Alex parecia estar levando uma bronca.

 

– Sim. Eu sei. Eu sei, mãe.

 

Depois do que pareceram ser os minutos mais longos da vida dela, ele desligou e se dirigiu a varanda. Elisa não pode deixar de reparar no céu incrivelmente estrelado delineando a silhueta esguia de Alex. Ela nunca ia ser capaz de acender a luz naquele quarto, não quando podia ver aquele céu.

 

– O que ela disse?

– Oi pra você também, Elisa. – o tom dele era neutro. Não sabia dizer o que ele estava sentindo.

 

Ela se levantou da cama, se enrolando num dos lençóis e improvisando uma túnica. Viu ele tirar um maço de cigarros do bolso e acender um.

 

– Obrigada.

– Pelo quê?

– Por me fazer desaparecer.

– Mas você não está completamente desaparecida. Não pra sua sogra.

 

Ele estava de costas para ela, apoiado na grade da varanda. Ela se aproximou e colocou a mão no ombro dele.

 

– Basicamente minha mãe acha que eu corrompi você. – ele se virou e encarou Elisa.

– E o que você disse pra ela?

 

Ele deu um trago profundo e soltou a fumaça lentamente.

 

– Nada. Acho fofo que ela acredite que você é um anjo.

 

Elisa não pode deixar de gargalhar alto. Ela, um anjo! Então havia alguém que ainda tinha fé nela.

 

– Que merda, hein.

– Nem me fale. – ele colocou a mão no rosto dela. – Você é um anjo e eu sou um demônio.

– Obrigada por ter ficado quieto, de verdade. Mas não tem nenhum anjo aqui. Isso já foi longe demais.

– Deixa pra se preocupar semana que vem. Acho que nós temos muito o que fazer por aqui e eu não estou a fim de pensar nos outros.

 

Era tudo o que ela mais queria. Mas não podia ignorar o elefante no quarto ao lado. E se odiou por isso.

 

– Então, o Fernando.

 

Viu a expressão de Alex mudar. Já estava arrependida, mas já havia começado o assunto.

 

– O que tem ele?

– Vocês estão juntos?

 

Alex gargalhou, uma risada irônica.

 

– E você realmente acredita que pode me fazer essa pergunta?

– Não me precisa me dizer se não quiser.

 

Ela pegou o maço de Alex e acendeu um cigarro.

 

– Ele gosta de você e eu não quero ficar entre vocês dois.

 

Alex ficou sério como se tivesse recebido uma informação nova.

– Nós não…

 

A batida na porta interrompeu os dois. Alex foi até a porta e abriu.

 

– Tudo bem por aqui? – era Fernando. – Queria saber se nós vamos jantar aqui ou na vila.

– Vamos lá na Vila. Quero conhecer o lugar. – a expressão de Alex mudou e ele estava definitivamente feliz. – Vou só tomar banho.

– Você vem, né Elisa? – Fernando deu um sorriso tão lindo que ela não poderia recusar.

– Claro. Vou só me trocar.

– Maravilha! Vamos, Alex?

 

Alex saiu do quarto e fechou a porta atrás de si. Mais essa. Jantar a três e ela estaria segurando vela desta vez. Bem que ela merecia.

 

_____________

 

O restaurante era pequeno mas muito bem decorado e – para alegria de todos – tinha ar condicionado. Eles sentaram numa das poucas mesas e Elisa não deixou de reparar nas dezenas de quadrinhos decorando a parede de cor vinho. Ficou distraída olhando os detalhes e deu graças por isso. Eles pediram camarão e Elisa ia pedir água, mas mudou de ideia quando ouviu Fernando pedir uma caipirinha. Os três acabaram optando por pedir caipirinha.

 

– Ao cantor e compositor mais incrível e talentoso do Brasil! Saúde! – Fernando puxou o brinde e Elisa acenou com a cabeça, concordando.

– Viva o Roberto Carlos! – Alex gracejou. – Saúde!

 

A comida era incrível e Elisa até pediria outro prato se estivesse sozinha. Não que fosse necessário: a porção tinha um tamanho ótimo e servia uma pessoa muito bem. Experimentou o camarão de Alex e achou o prato dele ainda mais delicioso. Ainda pediu uma sobremesa de cocada e sorvete que estava celestial. Não se lembrava qual havia sido a última vez que havia comido tão bem.

 

E muitas caipirinhas depois, já era melhor amiga de Fernando. Não havia como não se impressionar com ele. Era bonito, incrivelmente divertido e tinha o par de olhos verdes mais impressionantes que Elisa já viu. Ela se pegou reparando nas tatuagens e nas veias dos braços dele. Fernando era caloroso e ela gargalhava ouvindo ele contar histórias de sua vida. Aparentemente ele morou no Brasil inteiro e já passou por todo tipo de situação bizarra.

 

Aos poucos, o restaurante ia se esvaziando. Já era mais de meia noite e só a mesa deles continuava ocupada.

 

– Bonito batom, Elisa. – Fernando comentou entre um causo e outro.

– Quer passar? Tenho ele aqui na bolsa…

– Na verdade, eu queria tirar.

 

Ela parou por um momento e tentou absorver o que ele havia acabado de dizer. Fernando estava passando uma cantada nela, era isso?

 

– Eu tiro pra você. – Alex puxou o rosto de Elisa e a beijou com intensidade.

 

Elisa foi surpreendida, mas não ia interromper o beijo. Não quando Alex fazia brotar toda a sede dentro dela de novo. Quando eles se separaram, Alex estava com a boca vermelha.

 

– Essa cor não ficou bem em você. – Fernando comentou.

– Tira pra mim então. – Alex desafiou.

 

Fernando beijou Alex, e Elisa observou hipnotizada. Fernando beijava com o corpo inteiro. Ela podia ver nele a mesma sede que Alex despertava nela. Estivesse sozinha com eles num quarto, talvez estivesse se tocando.

 

– Acho melhor a gente ir. – Fernando comentou depois de algum tempo, olhando Alex nos olhos.

 

Ele acenou para uma garçonete que observava a mesa deles à distância e Elisa pôde ver o quanto o rosto dela estava vermelho quando ela se aproximou. Fernando pagou a conta e deixou uma gorjeta generosa para a moça envergonhada, que sequer conseguiu agradecer.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s